Pleno TJAP julgamento HC AbelO Pleno do Tribunal de Justiça do Amapá (TJAP), em sessão realizada nesta quarta-feira (02), negou, por maioria, o pedido de Habeas Corpus impetrado por Lindemberg Abel do Nascimento e Janiery Torres, ambos condenados a 4 anos de detenção por dispensa ilegal de licitação e 3 anos reclusão pelo crime de peculato. As condenações são o resultado do julgamento da Ação Penal Pública nº 0001417-13.2012.8.03.0000, decorrente da Operação Eclésia, deflagrada pelo Ministério Público do Amapá, em 2012.

A referida ação apurava o contrato ilegal feito entre a Assembleia Legislativa do Amapá (ALAP) e a empresa Tapajós Agência de Viagens para fornecimento de passagens aéreas. Segundo as provas apresentadas ao longo do processo, ficou demonstrado que a Casa de Leis, por meio de dois contratos, pagou para a empresa R$ 5.070.459,90 (cinco milhões, setenta mil, quatrocentos e cinquenta e nove reais e noventa centavos). Deste valor, mais de R$ 4 milhões de reais foram sido desviados. 

Além de Lindemberg Abel (ex-chefe de gabinete da ALAP) e Janiery Torres (ex-presidente da Comissão Permanente de Licitação), foram condenados, nas mesmas penas, o deputado estadual Moisés Souza, o ex-deputado Edinho Duarte, Edmundo Ribeiro Tork Filho (ex-secretário de Finanças das Casa) e a empresária Maria Orenilza de Jesus Oliveira, proprietária da agência de viagens Tapajós. Moisés e Edinho atualmente cumprem pena de prisão (regime domiciliar), em função de outras ações da Eclésia. Niculau Crispino

O julgamento do “Caso Tapajós” foi realizado em março de 2016, e, por provocação do MP-AP, em junho deste ano, o presidente do TJAP, desembargador Carlos Tork, determinou a execução provisória da pena. “Assim, considerando que o Pleno condenou nestes autos os réus pela prática dos crimes de peculato desvio e dispensa ilegal de licitação, tem-se por definidas a materialidade e a autoria delitivas e, consequentemente, reconhecidas a culpabilidade e a responsabilidade penal”, manifestou o desembargador. O magistrado também determinou a expedição das respectivas “Cartas Guias Provisórias” e os demais atos necessários ao cumprimento das penas.

Em sua manifestação sobre o HC, o subprocurador-geral de Justiça para Assuntos Administrativos e Institucionais, Nicolau Crispino, disse que não havia qualquer elemento que pudesse caracterizar “constrangimento ilegal” dos condenados, conforme alegou a defesa. O relator dessa matéria, desembargador Carmo Antônio, de igual modo, manifestou que o ato do presidente do TJAP, ao determinar a execução provisória da pena, deveria ser mantido, entendimento que foi acompanhado pela maioria do Pleno.

Participaram, ainda, da sessão, os desembargadores Sueli Pini, João Lages (voto divergente); e os juízes convocados Stella Ramos e Mário Mazurek.

 

Saiba mais:

Presidente do TJAP determina execução da pena contra condenados em ação penal da Eclésia https://goo.gl/VNqFZW

Resultado do julgamento da ação penal da Operação Eclésia foi considerado satisfatório pelo MP-AP https://goo.gl/Z24czA

TJAP analisa denúncia de corrupção na contratação da agência de viagens Tapajós pela Assembleia Legislativa https://goo.gl/nknp9v

SERVIÇO:

Ana Girlene

Ascom/MP-AP

Contato: (96) 3198-1616

Email:Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

twitter: MP_AP

Facebook/ministeriopublicoap

Diário Eletrônico

Edição Data Visualizar
214/2017 23/11/2017
213/2017 22/11/2017
212/2017 21/11/2017
211/2017 17/11/2017
210/2017 16/11/2017
209/2017 14/11/2017
208/2017 13/11/2017
207/2017 10/11/2017
206/2017 09/11/2017
205/2017 08/11/2017
204/2017 07/11/2017

Operação Eclésia

Processos Distribuídos
Res. 110/2014

Diário Oficial Eletrônico

Ouvidoria

Plantões

Espelho do MPAP