plano tjap eclesiaNesta quarta-feira (30), ao apreciar denúncia do Ministério Público do Amapá (MP-AP), o Pleno do Tribunal de Justiça do Estado (TJAP) recebeu a 24ª ação penal decorrente da Operação Eclésia, investigação que revelou uma série de esquemas para desviar recursos dos cofres da Assembleia Legislativa (ALAP).

Os desembargadores, por maioria, rejeitaram as preliminares suscitadas pela defesa e, à unanimidade, acolheram o voto da relatora, juíza convocada Estela Ramos, pelo recebimento da denúncia. “O MP-AP apresentou documentos suficientes para sustentar a narrativa e diante dos indícios recebo a denúncia contra os réus”, disse a magistrada.

Com isso, tornaram-se réus em mais uma ação penal, os ex-dirigentes da Casa de Leis, deputado estadual Moisés Souza e Edinho Duarte (ambos cumprindo prisão domiciliar devido condenação em outro processo da Eclésia), além de ex-servidores da ALAP e o empresário Rogério Costa de Almeida.

Semelhante aos inúmeros casos já denunciados pelo Ministério Público à Justiça, a prática dos réus consistiu na dispensa de licitação sob alegação de emergência, seguida da contratação da empresa, pagamento em cheques e saques de vultosas quantias na “boca do caixa”.

Com as provas colhidas no curso da Operação Eclésia, o MP-AP demonstra que a ALAP pagou R$ 585.014,00 (quinhentos e oitenta e cinco mil e quatorze reais) à empresa R. Costa de Almeida – ME, contratada para realizar os serviços de substituição e reestruturação da rede lógica do Edifício-Sede e do Edifício-Anexo da Casa Legislativa. Contudo, segundo as investigações, não houve a prestação dos serviços e tudo não passou de simulação para permitir o desvio de mais de meio milhão de reais.

Em sua manifestação no Pleno, o subprocurador-geral de Justiça para Assuntos Administrativos e Institucionais do MP-AP, Nicolau Crispino, reforçou o conteúdo da denúncia e fez referência a decisão recente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que rejeitou mais um recurso, decorrente de Reclamação Constitucional movida pela defesa dos réus.

“Importante deixar muito claro que o todas as tentativas dos acusados em sucessivos recursos aos Tribunais Superiores contra a Eclésia foram frustradas. Em especial, o não provimento de mais um recurso junto ao STJ, na reclamação constitucional que questiona a legalidade dos atos praticados pela juíza Alaíde Maria de Paula, da 4ª Vara Cível de Macapá, onde tramitam as ações de improbidade sobre os mesmos fatos narrados nas ações penais”, explicou o procurador.

Participaram, ainda, da sessão os desembargadores Carlos Tork (presidente), Manoel Brito, João Lages, Carmo Antônio e Agostino Silvério (que não participou do julgamento alegando questões de foro íntimo).

São réus na ação penal nº 0001712-16.2012.8.03.0000:

Moisés Souza (ex-presidente da ALAP), o ex-deputado estadual Edinho Duarte, Janiery Torres Everton (ex-presidente da CPL/ALAP) e Edmundo Ribeiro Tork Filho (ex-secretário de finanças da Casa de Leis), ambos responderão pelos crimes de peculato desvio; formação de quadrilha; lavagem de dinheiro e dispensa ilegal de licitação

Edmundo Ribeiro Tork Filho (ex-secretário de finanças da ALEAP) responderá pelos crimes de peculato (desvio); formação de quadrilha; lavagem de dinheiro e dispensa ilegal de licitação.

Antônio Armando Barrau Fascio Terceiro (ex-coordenador de Informática da ALEAP), segundo as investigações, foi fundamental para a concretização dos crimes, pois emitiu declaração nas notas fiscais afirmando que os materiais foram recebidos e os serviços realizados. Por isso, responderá pelos crimes de peculato, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica, na modalidade de fazer inserir declaração falsa em documento público.

Rogério Costa de Almeida (proprietário da empresa), participou efetivamente da cadeia criminosa, eis que, na condição de proprietário e administrador da empresa R. COSTA de ALMEIDA-MED, beneficiada pelo esquema de desvio de dinheiro público, assinou o contrato fraudulento com a Assembleia Legislativa do Amapá. Portanto, responderá pelos crimes de falsidade ideológica, peculato desvio, lavagem de dinheiro, formação de quadrilha e fornecimentos de nota fiscal falsa.

Serviço:

Ana Girlene

Assessoria de comunicação do MP-AP

Contato: (96) 3198-1616

Email: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Diário Eletrônico

Edição Data Visualizar
214/2017 23/11/2017
213/2017 22/11/2017
212/2017 21/11/2017
211/2017 17/11/2017
210/2017 16/11/2017
209/2017 14/11/2017
208/2017 13/11/2017
207/2017 10/11/2017
206/2017 09/11/2017
205/2017 08/11/2017
204/2017 07/11/2017

Operação Eclésia

Processos Distribuídos
Res. 110/2014

Diário Oficial Eletrônico

Ouvidoria

Plantões

Espelho do MPAP