palacio meio ambienteA coordenadora do Centro de Apoio Operacional do Meio Ambiente, promotora de Justiça Ivana Cei, e o titular da Promotoria do Meio Ambiente de Macapá, promotor de Justiça Marcelo Moreira, participaram, na última quarta-feira, 12, no Palácio do Setentrião, de reunião com os órgãos envolvidos no processo de regularização fundiária do Estado e receberam do governador do Estado, Waldez Góes, o projeto de Lei Complementar que disciplinará a transferência, destinação, ocupação e uso das terras públicas e devolutas do Amapá.

 

Ao apresentar o projeto de Lei, que deverá passar por amplo debate com as instituições competentes e a sociedade civil para posterior aprovação na Assembleia Legislativa do Amapá (ALAP), o Executivo esclareceu que norma visa adequar a Constituição Estadual à nova legislação federal, tendo em vista a sanção, pela Presidência da República, da Lei Nº 13.465, que dispõe de novas regras para a regulamentação fundiária de terras da União localizadas na Amazônia Legal, incluindo o Amapá.

 

Segundo o chefe do Executivo, o Plano de Desenvolvimento Econômico do Amapá é uma prioridade, e neste sentido, a resolução da questão fundiária do Estado é uma condicionante, que segue os princípios da transparência e do controle social. “ O intuito é mandarmos este projeto para a Assembleia Legislativa até o fim deste mês, para que no mês de agosto, ao retomar os trabalhos naquela casa, os parlamentares já o apreciem”, ressaltou Waldez Góes.

 

Segundo a promotora de Justiça Ivana Cei, o Estado tem atuado com transparência quanto à destinação, ocupação e uso das terras públicas e devolutas do palacio meio ambiente IAmapá. “Essa discussão quanto ao processo e ao projeto junto às instituições fiscalizadoras, e com a população em futuras audiências públicas, possibilita a segurança e maturidade que precisamos para o futuro do Estado. Para o MP, a análise será pautada em consonância com a legislação ambiental, compatibilizando proteção, preservação, desenvolvimento social, cultural e econômico”, destacou.

 

De acordo com os dados do Executivo, as áreas abrangidas são mapeadas em 23 glebas que correspondem a aproximadamente 25% do território amapaense. Possuem uma extensão de 142,8 mil km². Os outros 75% são unidades de conservação já homologadas. O mecanismo de regulamentação não inclui terras indígenas já homologadas, 15 áreas de projetos de assentamentos agroextrativistas, 28 áreas de projeto de assentamentos de colonização e regularização e 29 áreas que a União pretende transformar em quilombo.

 

O Além dos membros do Ministério Público do Amapá (MP-AP), participaram da reunião, o procurador-geral do Amapá, Narson Galeno; o secretário de Estado do Planejamento, Teles Júnior; o titular do Instituto do Meio Ambiente e do Ordenamento Territorial do Amapá (Imap), Bertholdo Neto; o diretor-presidente da Agência de Desenvolvimento Econômico do Amapá, Eliezir Viterbino; a deputada estadual Roseli Matos, representando ALAP; e outros envolvidos no processo.

 

Com informações da Agência Amapá

 

 

Ascom/MP-AP

Contato: (96) 3198-1616

Email:Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

twitter: MP_AP

Facebook/ministeriopublicoap

 
 

Transmissão de reuniões dos órgãos colegiados

Nenhuma audiência agendada para os próximos dias.

ver todas    

Licitações Transparentes

Nenhuma transmissão agendada para os próximos dias.

ver todas    

Informação